Página Inicial Contato  
   
 
   
  Administração
  Agenda de Eventos
  Como Chegar
  Dados Gerais
  Economia
  Fotos dos Eventos
  História
  Aventura
  Dicas de Viagem
  Ecoturismo
  Náutica
  Passeios
  Pesca
  Rural
  Gastronomia
  Hotéis e Pousadas
  Onde Comprar
  Onde Curtir
  Transportes
  Utilidade Pública
  Agenda Cultural
  Arte e Artesanato
  Culinária
  Curiosidades
  Fundação Cultural
  Anuncie no site
  Contato
  Informações
  Mural de Recados
  Newsletter
  Rodovia On-line
 
 

Você é o nosso
visitante de nº

contador gratuito de visitas

 
Cidade de Paraibuna - SP - onde o importante é você
A Economia hoje
A atividade econômica do município está basicamente no setor primário, tendo a agricultura e a pecuária como atividades principais. São produzidos no município 16.000 litros de leite ( b e c) por dia. Os altos custos da produção e os cargos aviltantes fazem com que parte dos 265 produtores utilizem o leite no fabrico de queijo, requeijão, manteiga, etc., para venda direta ao consumidor. A olericultura vem evoluindo muito. Hoje a área cultivada atinge 600 hectares. Paraibuna possui a feira do produtor rural, que funciona às quartas-feiras, sábados e domingos na praça Manuel Antônio de Carvalho, a praça do mercado, onde cerca de 30 pequenos produtores oferecem seus produtos, frescos, a preços acessíveis. Indústrias há pouquíssimas, e pequenas (queijos, doces, farinha). Existem bons números de olarias. No entanto, a Prefeitura tem procurado atrair indústrias para o município. Os primeiros resultados de um trabalho incessante começam a surgir: Algumas unidades estão prestes a se instalar em Paraibuna. A municipalidade oferece isenção de IPTU, taxa de limpeza pública, taxa de conservação de vias, taxa de licença para localização e funcionamento, taxa de licença para publicidade.
Paraibuna está trabalhando para instalar em seu município a Indústria do Turismo, colocando à disposição do turista diversas opções, tais como: Turismo rural, Turismo da terceira idade, Turismo esportivo, Turismo náutico, Turismo gastronômico, Ecoturismo, Esporte de Aventura etc..

A História Econômica de Paraibuna
O café foi o marco no Vale do Paraíba no período de 1830 a 1870. Teve um fator importante na economia do município. Várias foram as fazendas que começaram a dedicar à cultura cafeeira, com algumas delas sendo construídas especialmente para esse tipo de lavoura. Em 1835, só no 2° distrito da Vila de Paraibuna, registraram-se 34 fazendas de café e 87 fazendas de culturas diversas.
Até o início do século XX, o quadro da região está dividido entre monocultura do café e policultura comercial e muitas vezes conjugando-as. A cultura do café no Vale entrou em declínio a partir de 1870.
Em 1860 a cultura do algodão foi introduzida em várias fazendas do café, para servir de equilíbrio às dificuldades que sofria a lavoura cafeeira e escravagista. O café continuou a sua marcha para outras regiões, deixando atrás de si hipotecas e fazendas ao abandono.
Paraibuna também entrou em declínio financeiro, ficando num marasmo com sua vida normal, entre 1890 e 1920.
Com a construção da Rodovia Presidente Dutra e da Estrada dos Tamoios, entre 1922-24, o município ganhou novo impulso. Novas culturas se fizeram aparecer e a criação de gado começou, mas vindo a ser forte somente a partir de 1940, quando os produtores tiveram oportunidade de escoar o produto, através da Cooperativa. O Leite passou então a ser o forte da economia, chegando mesmo a produzir 50 mil litros diários por volta de 1960.
No começo da década de 60, com o início da construção das barragens Paraibuna - Paraitinga a economia sofreu novo baque. A produção leiteira caiu e o plantio das roças foi diminuindo, devido a vários fatores: a ocupação das terras pelas águas e o êxodo dos trabalhadores rurais para os serviços de construção das barragens, que no seu pico empregou 5 mil pessoas.
No período de 1965 a 1975, o município viveu uma transformação significante, mas sem saber que rumo seguir. Muitas pessoas foram obrigadas a abandonar suas terras e se mudar para a zona urbana ou mesmo para outras regiões. A cidade cresceu vertiginosamente, provocando maiores problemas para os administradores. Com o término da construção das barragens a situação ficou ainda pior, pois muitos perderam o emprego e não tinham o que fazer.
A saída para muitos deles foi mesmo voltar para a roça e tentar viver da agricultura, o que foi feito, dando um aumento significativo na produção. O feijão foi uma das plantações preferidas, com o município chegando a ser o primeiro do Vale do Paraíba em 1980. Depois disso procurou-se outras alternativas de lavoura, com o plantio, por exemplo de tomates.
A pecuária leiteira diminuiu mais ainda, com os produtores preferido o gado de corte que exige menos mão-de-obra. A esperança da população desde a década de 70, quando as represas foram fechadas, é com relação ao turismo.
As margens da represa já estão tomadas por pequenos sítios e loteamento de veranistas, mas o principal para o desenvolvimento do turismo ainda não aconteceu de fato. Atualmente várias medidas estão sendo tomadas pela administração com o objetivo de incrementá-lo. A realização de provas esportivas e o apoio para as festas populares e as tradições são as metas do Conselho Municipal de Turismo.